ARS Algarve salienta boa comunicação institucional na região

O «Relatório Regional da Notificação de Microrganismos Epidemiologicamente Significativos», elaborado pelo Grupo de Coordenação Regional do Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos da ARS Algarve, dá a conhecer os resultados do sistema de reporte e comunicação existente entre as estruturas do PPCIRA dos diferentes níveis de cuidados de saúde da região do Algarve, referentes ao período de 2011 a 2017.

Este sistema, centrado no Grupo de Coordenação Regional do Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos (GCR-PPCIRA) do Departamento de Saúde Pública e Planeamento da ARS Algarve, consta da notificação dos doentes em que foram identificados MES (Microrganismos resistentes aos antibióticos e o Clostridium difficile), sempre que estes doentes são transferidos entre instituições de saúde e Lares de idosos, com o objetivo de perceber que tipos de Microrganismos circulam entre instituições e recomendar às instituições o reforço, em tempo útil, das medidas de controlo de infeção e a melhoria do uso de antibióticos.

O estudo conclui que no período de 2011 até 2017, foram notificados 414 doentes (202 mulheres e 212 homens) com MES, que circularam entre instituições, sendo o grupo etário mais notificado o dos 85-94 anos, seguido pelo dos 75-84 e dos 65-74.

Entre as instituições notificadoras, foram os dois polos hospitalares públicos de Faro e Portimão do Centro Hospitalar Universitário do Algarve que realizaram o maior número de notificações (401), seguidos pelas Unidade de Cuidados Continuados Integrados (15).

As notificações recebidas eram referentes a 220 utentes procedentes de Lares, 88 do domicílio e 69 de UCCI. Nos produtos analisados, foram identificados fundamentalmente – Staphylococcus aureus, Clostridium difficile, Escherichia coli e Klebsiella pneumoniae.

O número de utentes transferidos entre instituições, portadores de microrganismos resistentes às últimas linhas de antibióticos disponíveis, tem aumentado nos últimos anos.

O GCR-PPCIRA tem realizado um vasto leque de formações para profissionais das Unidade de Cuidados Continuados Integrados e em colaboração com o Centro Regional de Segurança Social para os profissionais dos Lares da região. Planeia-se num futuro próximo abranger também os profissionais das empresas de transporte de doentes, no sentido de os sensibilizar para a aplicação das Precauções Básicas de Controlo de Infeção.

Conclui o relatório que a comunicação entre as diferentes instituições que cuidam destes doentes, coordenada pelo GCR/Departamento de Saúde Pública, é essencial para o planeamento de tratamento precoce, identificação dos fatores de risco, promoção das medidas de controlo de infeção em tempo útil e para reavaliação da política institucional de prescrição de antibióticos.

Este trabalho foi realizado pelo GCR/DSPP em colaboração com os Agrupamentos de Centros dessaúde, o Centro Hospitalar Universitário do Algarve, as Unidades de Cuidados Continuados Integrados e lares na região do Algarve.

Relatório Regional da Notificação de Microrganismos Epidemiologicamente Significativos em http://www.arsalgarve.min-saude.pt/wp-content/uploads/sites/2/2018/11/Relatorio_MES_2017_9_Julho_2018.pdf

 

Ademar Dias

Segue-nos